Aprendizajes (2)

Ler em Português

Otra de las enseñanzas “al paso” que nos trajimos de Portal Parvati:

– “Hacer porque queremos hacer y no para que ya esté hecho.”

Llegó en una conversación casual, mientras dábamos una mano en una minga para aplanar un terreno. Y una vez más dando sin medir llegan cosas inconmensurables. Entre los cumpas que estaban trabajando ahí recordaron una historia, un cuento de sabiduría milenaria supongo, cortito, sin un gran remate, pero que por alguna razón hizo muchísimo ruido dentro mío.

No encontré el relato original, pero básicamente cuenta el diálogo entre un sabio y un amigo. Después de compartir una comida, el amigo se ofrece a lavar los platos. El sabio le pregunta si lo quiere hacer realmente, o lo que busca es que esté hecho. Su amigo, reconociendo las intenciones detrás de la pregunta responde que realmente quiere lavar. Después de años de amistad reconocía la intención detrás de la pregunta, sabía que si su motivación era solo que la tarea esté hecha el sabio no se lo permitiría.

Lo loco es que el recuerdo de esa reflexión tan simple vuelve a mí hasta en las mas mínimas acciones. Ahora cuando veo que estoy haciendo algo solo para que esté hecho, intento optar entre dos opciones: o comienzo a disfrutar del proceso, o lo dejo para después.

Esa simple enseñanza se convirtió en parte del equipaje que elijo llevar. Las subidas con la bicicleta empiezan a parecerme mas placenteras, ya no me desespero porque terminen. Disfruto sentir los musculos, el cuerpo trabajando en conjunto para lograrlo. Si no es posible disfrutarla paro, respiro, contemplo. Lo mismo barriendo, lo mismo trabajando… lo mismo viviendo.

Aprendizados (2)

Outra das lições que trouxemos de Portal Parvati

– “Fazer porque queremos fazer e não para que já esteja feito.”

Chegou em uma conversa casual, enquanto nós dávamos uma mão em um mutirão para achatar um pedaço de terra. E mais uma vez dando sem medir vêm coisas imensuráveis… Entre os companheiros que estavam trabalhando ali, lembraram de uma história, um conto de sabedoria antiga suponho, cortito, sem um grande final, mas por algum motivo fez muito barulho dentro de mim.

Eu não encontrei a história original, mas basicamente conta o diálogo entre um homem sábio e um amigo. Depois de compartilhar uma refeição, o amigo se oferece para lavar a louça. O homem sábio pergunta se ele realmente quer fazer isso, ou o que ele está procurando é que isso seja feito. Seu amigo, reconhecendo as intenções por trás da pergunta, responde que ele realmente quer lavar. Depois de anos de amizade, ele reconheceu a intenção por trás da pergunta; ele sabia que se sua motivação fosse apenas que a tarefa fosse feita, o homem sábio não permitiria.

O mais louco é que a memória dessa simples reflexão retorna a mim mesmo nas menores ações. Agora, quando vejo que estou fazendo algo a ser feito, tento escolher entre duas opções: ou começo a gostar do processo ou deixo para depois.

Esse ensinamento simples tornou-se parte da bagagem que escolho levar. As subidas com a bicicleta começam a parecer mais agradáveis, já não me desespero porque acabarem. Eu gosto de sentir os músculos, o corpo trabalhando em conjunto para alcançá-lo. Se não é possível desfrutar eu paro, respiro, contemplo. O mesmo varrendo, o mesmo trabalhando… o mesmo vivendo.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s

Crea un blog o un sitio web gratuitos con WordPress.com.

Subir ↑

Crea tu página web en WordPress.com
Empieza ahora
A %d blogueros les gusta esto: